27 de fevereiro de 2013

Em 2013 a Cascatinha tem mais uma rodada de brutalidades sonoras!

Brutal: adj. agressivo, direto, sem subterfúgios: franqueza brutal, grosseiro.

De fato, esses adjetivos bem definem o trio formado em 2011 por Maurílio Almeida, Rodrigo Moro e Roberto Silveira.

Tendo como principal inspiração a arte produzida no final dos anos 60 por artistas como Jimi Hendrix, Cream, The Who, Led Zeppelin, Grateful Dead, entre outros, a banda vem evoluindo bastante e se fortalecendo cada vez mais ao vivo, com performances cada vez melhores e que fazem jus ao nome do trio, e é assim que Os Brutais pretendem fazer mais um grande show no palco Ricas Abóboras, de maneira franca, sem rodeios e com muita entrega.

Voltar ao Pira Rural vai ser a celebração de quase 2 anos de trabalho e promete ser ainda mais enriquecedor que a primeira aparição do trio na edição passada. Pra essa edição Os Brutais vão levar um repertório inédito, com sons novos e músicas já conhecidas de quem acompanha a banda, como Leandra e Carne Morta.

Pra quem quiser conhecer um pouco mais do som dos brutais, o Ep "Os Brutais ensaiam..." lançado durante a 3ª edição do Pira Rural, é uma boa pedida. Ali você encontra o repertório de show da banda, executado sem firulas, no osso, gravado durante os ensaios para a edição passada do Pira. 
Se ficou interessado, acessa aqui e escuta www.osbrutais.tnb.art.br

Pra quem quiser entrar em contato, segue aí também o facebook:







Na Mística Cascatinha vai ecoar o som Espiritual da Mahabharata Instrumental

Foto: Paulo Pretz
Você está caminhando num beco escuro de um bairro indiano, em uma grande metrópole. Pessoas estranhas se entreolham. Você precisa de uma resposta – e esta noite a sua investigação vai ter de ir até o fim. O som da Mahabharata Instrumental certamente é a trilha sonora para esta cena noir.

A Mahabharata Instrumental é um trio. Um baixo que faz base e arranjos, teclados virtuosos e uma batera beirando ao jazz ‘do contra’. Esta banda surgiu em 2009, em Caxias do Sul, e desde então vêm agradando significativamente os ouvidos mais exigentes dos músicos da região.  Seu estilo é um Rock Fusion, com influências do jazz, blues e funk.

Já no ano de surgimento, receberam a premiação de primeiro lugar no Festival de Música de Paraí. Ainda em 2009, tocaram em eventos do ManifestaSol e diversos bares. Em 2010 os caras também se apresentaram no NEW JAZZ Festival – local apropriadíssimo para a Mahabharata Instrumental

O Trio cria um som que busca a liberdade. Buscamos transformar a expressões interiores em vibrações que carreguem o ouvinte por térritórios pouco explorados… a música é uma viagem pelo mundo das possibilidades.  
- Criamos sem apego deixando que o som tome forma a partir das influências de cada um. 
- O resultado é um Rock com influências de Jazz, Blues e Funk sempre aberto a experimentalismos e ao improviso."

No início de 2010, a banda gravou a demo “Convergência”, com cinco músicas instrumentais. Em 2011 a banda retornou ao estúdio e passou a compor novas músicas e fazendo apresentações pela cidade e pela capital. Também se apresentando no Morrostock. Em 2012 foi selecionada e se apresentou no Festival Brasileiro de Música de Rua na Etapa Caxias do Sul.  

É muito interessante assistir o show da Mahabharata Instrumental – temos uma sensação acid ao assistí-los, e certamente somos envolvidos por um clima de mistério com pitadas de medo e entusiasmo.

Pra escutar uma amostra do som deles, acessa aí:

E pra saber mais ou entrar em contato com os caras:

26 de fevereiro de 2013

O Universo do Pira tem a energia da Sopro Cósmico


Olá compadres e comadres!!!
Mais uma banda sendo anunciada no Pira Rural 2013!!

Depois de chegar de mansinho em 2012 e fazer o povo voltar das barracas pra ver o show, esse ano eles dispensam apresentações! Considerada a banda revelação do festival no ano passado, eles seguiram apavorando por outros festivais, e agora, a Sopro Cósmico, trio instrumental de Porto Alegre, volta ao Pira pra fazer ferver os miolos da galera outra vez.

Contando com influências como Beethoven, Hermeto Pascoal, Herbie Hancock, Miles Davis, Led Zeppelin, Pink Floyd e The Doors, eles vem com seu estilo acid jazz/progressivo pra botar o festival abaixo novamente.
  
A formação é saxofone, bateria e teclados, sendo que o baixo é feito num dos teclados como no The Doors, mas com mais "walking bass" e arranjos mais jazzísticos e progressivos. Os timbres usados nos teclados são piano, piano elétrico, moog, organ valvulado e efeitos psicodélicos de sintetizador. É uma mistura de psicodelía com jazz. O peso na bateria é a la John Bonham. O saxofonista já adota o estilo do John Coltrane. É um universo colorido...

Mas comparações à parte, quem já viu e ouviu, sabe que é isso aí mesmo!! E os caras voltam pra arrepiar o pelo da galera!

E já que estamos aqui, aí vai aquele lembrete de novo: todos devem trazer junto seu prato, talheres e copo/caneca!!! Quem não trouxer, vai ter que pedir pra um amigo!!! Isso aí é pra desafogar a cozinha e criar menos lixo (não haverão copos plásticos no festival)!! Então já coloquem na mala!!

Nos vemos na páscoa pessoal! ;)

25 de fevereiro de 2013

Ingressos para Sobradinho e região

Atenção galera da SOBRADINHO e REGIÃO!

Foto: Renan Mattos
Quem estiver interessado em comprar ingressos pra 4º Edição do Pira Rural, que vai rolar na Páscoa, dias 29,30 e 31 de março, pode fazê-lo no Posto Betrin, no centro de Sobradinho!

Mas atenção: o número de ingressos é limitado. Quando eles acabarem, não tem mais choro!! Além disso, não há venda de ingressos para um único dia do Festival, e também não haverá vendas na hora, somente antecipados!

Eles custam R$ 45,00 reais até o dia 13 de março, depois sobem para R$ 55,00!

Fiquem espertos, pois os ingressos estão indo como água.
Quem estiver afim de ir, é melhor passar logo lá e garantir!!

Abraço, e nos vemos no Pira! ;)

Matando as baratas e mostrando o Blues!

Bom dia povo da Cascata!!

Pra começar bem a segunda-feira, segue mais uma banda confirmada no Pira Rural 2013!

O Blues surgiu no sul dos Estados Unidos no começo do Século 20. As baratas surgiram há aproximadamente 400 milhões de anos.

Los Cucarachos Del Blues existem desde 2009 e, assim como as baratas, são de hábito noturno e nutrem uma paixão por locais quentes e úmidos. E, assim como o blues, eles tem o sentimento tatuado em sua performance.

Seu estilo musical é conhecido nos esgotos de Passo Fundo como Blues de Cozinha. O Blues de Cozinha tem por característica não se prender a nenhum estilo musical específico. Vai do Coutry Blues do Delta do Mississippi, passando pelo blues elétrico de Chicago, se embrenhando no pantanoso Jazz de New Orleans, descendo até os terreiros de Candomblé da Bahia, flertando com a Bossa Nova e, finalmente, chegando ao Rio Grande do Sul, até Ibarama, onde preparam uma apresentação a altura do evento. 

Os integrantes desse bando são: Maestro PC Rolimas no trompete, Rojones no baixo, Capu na guitarra, Leonardo Ratão na batera, Marcos Pantera nos vocais, e Felipe Faé na harmônica e vocais.

Com projeto de gravação em vias de sair do papel, por enquanto essa galera tem apenas 1 som gravado. Acessa aí e curte enquanto o Pira não chega:

22 de fevereiro de 2013

A Cascatinha não é o centro do mundo, mas vai ter o Centro da Terra!!

Olá amiguinhos da Cascatinha!!

Agora o negócio não tem mais trégua!!
Seguindo os trabalhos, mais uma banda vem aí pra ferver a galera no 4º Pira Rural!!

O Centro da Terra é um power trio que vem de São José do Rio Preto/SP, prometendo uma grande viagem em sua sonoridade!!

O Power Trio parte da ideia de executar um ritual elétrico ao vivo. Com o Blues funky de Fred Pala (guitarra e vocal) aperfeiçoado nas ruas da Europa e Inglaterra, o Rock’n Roll progressivo de Vitor Rodrigues (baixo e vocal) de anos de experiência com a música nacional setentista, e o jazz fusion inovador de Guilherme Pala (bateria), o trio tem o intuito de trazer à tona a música espiritual e elevar o ser à paz e ao amor. 


E aí, estão botando fé nos caras?!
Quem quiser saber mais, acessa aí:

E não esqueçam: esse ano todos devem trazer seu prato, talheres e copo/caneca!! Assim todo mundo colabora com o pessoal que trabalha na cozinha, e também ajuda na contenção do lixo (se liga, não haverão copos plásticos no Festival esse ano). 
Aliás, já vai lá e coloca isso tudo dentro da mochila pra não esquecer!
...
Colocou lá?
Então agora saca esses sons dos caras!





21 de fevereiro de 2013

As válvulas do Cabeçote também irão esquentar a Cascatinha nesse Pira!!


Fazer um som. Por mais simples que pareça, este é o desejo em comum pelo qual nasceu o Cabeçote, e traduz a enorme vontade que queima no peito de seus integrantes.

Surgida no final de 2011 em Curitiba, a banda apresenta um repertório autêntico e instrumental, composto por músicas autorais que refletem seu gosto por um som livre, fluído e direto, com temas marcantes entremeados por trechos de improviso e livre expressão de cada instrumento, que compõem a sonoridade não usual do Cabeçote.

Com pouco mais de um ano de existência, a banda inicia agora o processo de gravação do seu primeiro disco, com o intuito de levar ao maior número de ouvidos o peso de suas harmonias, arranjos e melodias. 

Foto: Nicolas Pedrozo Salazar
Harmonias, arranjos e melodias que se mostram ainda mais impactantes nas apresentações ao vivo da banda, que, munida da vontade de tocar e da satisfação de estar num palco, vêm reunindo cada vez mais apreciadores da boa música sob a bandeira do som autoral, mostrando que, mesmo sem palavras, a sua música instrumental tem muito a dizer.

Som para quem tem cabeça.


E pra conhecer mais desse povo, acessa aí e confere: 





20 de fevereiro de 2013

Data e hora da abertura das porteiras no 4º Pira Rural!!

Olá amiguinhos!!!

Como já surgiram algumas pessoas perguntando a respeito,estamos escrevendo aqui pra explicar sobre o horário do Festival! Algumas pessoas e excursões inclusive, manifestaram interesse de ir pro Festival na quinta-feira, um dia antes dele começar!

Assim como já foi respondido respondido para quem perguntou, viemos aqui esclarecer que o Pira Rural vai abrir as porteiras pra receber a galera na sexta-feira, dia 29, a partir das 9 horas da manhã.

Pedimos encarecidamente pra toda galera vindo de excursão, de carro ou até mesmo a pé, que respeite essa data e horário!

O que acontece é que nós todos que organizamos, estaremos trabalhando na quinta (e até mesmo na sexta ainda) na pré-produção do festival, fazendo os últimos ajustes, trazendo as últimas coisas (como a comida), entre outras coisas...

Na quinta-feira nem a nossa equipe está toda lá ainda pra receber o pessoal (pois todos temos qu trabalhar em nossos empregos "normais"), e fica muito complicado pra gente, que vai estar num vai e volta da Cascatinha levando e trazendo coisas, ficar recepcionando a galera, atendendo e fazendo comida!!

A gente sabe que a galera ta anciosa pelo Pira, e nós também temos uma grande expectativa sobre o Festival, mas nós precisamos trababalhar pra deixar tudo pronto pro festival em si funcionar legal! 

Anotaram o recado pessoal?!
Nos vemos na sexta-feira de páscoa então! ;)
Abraço...

Do índio ninguém sabe, mas tem um Velho Hippie que é presença certa no 4º Pira!!

Bom, quem que participou do Pira Rural 2012 e não lembra do Ash, o índio vindo do Acre que surgiu no festival?? Então, ninguém sabe se ele vai aparecer de novo, mas tem um Velho Hippie que vem de Caxias do Sul e é presença garantida na Cascatinha em 2013...

Flor Lilás: 2º disco quase pronto!
Faz um tempo que a Velho Hippie vem percorrendo a estrada. Desde que começaram no ano 2003 já tem um longo caminho andado, com um CD na mochila e outro em processo de ver a luz. Músicas autorais com vivências pessoais. Melodias e ritmos que lembram a década onde os hippies não eram velhos assim, sem esquecer das propostas mais atuais: letras que transitam na existência de um presente não fechado e composto por um antes e um depois, que se condensam em músicas autorais com elaborados e minuciosos arranjos. O lirismo poético é o eixo comum entre o "Caminhando nas Nuvens" (2009), primeiro CD da banda, e o "Flor Lilás", previsto para 2013. A beleza das composições vem de tratar o cotidiano como uma janela aberta à novas possibilidades, tocando questões que são da incumbência de todos nós, e transpondo-as em metáforas que têm, em última instância, referencia à vida. 

Além da clássica formação bateria, baixo, guitarra e teclados, a Velho Hippie experimenta outros sons que enriquecem e ornamentam suas melodias, características por sua harmonia particular, incrementado ao som da percurssão. Cada show é uma proposta única, um espetáculo que acontece entre flores e boas energias, entre murais, luzes e sombras, numa trabalhada estética que faz do palco um laboratório onde música e imagem compõem um todo.

Os cinco integrantes do grupo são músicos em contínua formação, e cada um aporta à banda o melhor do seu repertório pessoal, a própria originalidade, fusionando estilos e logrando assim uma prolífica mistura de sons, que fazem da Velho Hippie uma experiência maravilhosa e prazerosa para os sentidos mais exigentes.

E quem quiser escutar essa baita banda, é só acessar aí o site deles e dar play, que ta o 1º disco inteiro pra ouvir:
E se quiser entrar em contato com os caras:

E não esqueçam pessoal: esse ano todos devem trazer junto seus talheres, prato e caneca, pra colaborar com o festival e gerar menos lixo (não haverão copos plásticos, fiquem espertos!)!!! E vamo que vamo que a páscoa se aproxima!!!! ;)

19 de fevereiro de 2013

No Pira também tem Músicas Intermináveis para Viagens

A Músicas intermináveis para Viagem (M.i.p.V) prepara-se para tocar novamente no Brasil depois de mais de três anos atuando na Europa. Baseada desde 2009 em Berlim (Alemanha), a M.i.p.V tem participado de alguns festivais importantes na capital alemã e na Europa, tendo lançado seu segundo álbum “M.i.p.V II” (2011/2012) pelo selo berlinense Solaris Empire, com distribuição da Broken Silence, distribuidora independente alemã que abrange todos os países europeus e distribui online para todo o planeta.

O disco recebeu boas críticas na Alemanha, sendo a M.i.p.V comparada com bandas como Durutti Column, Tortoise, Department, Clair Obscur, Neu! e La Düsseldorf - essas últimas bandas de krautrock alemãs dos anos 70, formadas por ex-integrantes do Kraftwerk -, e surpreendendo por ser uma banda que vem do Brasil e faz um som novo e autoral, sem cair no déjà vu da música tradicional brasileira.

Músicas intermináveis para Viagem foi criada pela guitarrista Laura L em 2004, em Porto Alegre (RS), e faz shows na Europa desde 2006, quando fez suas primeiras apresentações em Berlim, divulgando seu primeiro disco “Músicas intermináveis para Viagem” (2006). Desde lá, voltou em 2008 para sua primeira tour, percorrendo seis países europeus (Bélgica, Espanha, Portugal, França, Alemanha, Itália), e desde 2009 faz shows em Berlim (Festsaal Kreuzberg, King Kong Klub, Kater Holzig, Kaffee Burger, Schokoladen, Wendel Club...) e outras cidades da Alemanha, dividindo ainda o palco com bandas de diferentes países.

Na Europa, participou dos festivais Ferrara Buskers Festival (2008-Itália), Liverpool Sound City (2011-Inglaterra), Féte de la Musique (2011 e 2012 – Berlim-Alemanha), Fusion Festival (2012-Alemanha) e Down by the River (2012 –Berlim-Alemanha), sendo o Fusion Festival um dos maiores festivais europeus independentes.

No Brasil, M.i.p.V tocou nos festivais Feira da Música (2009-Fortaleza), Gig Rock V (2008-Porto Alegre), MorroStock (2007-Sapiranga-RS), PIB (2007-São Paulo). Participou da coletânea “The New Brasilian Music” (BM&A-2008), roda em diversas rádios no Sul do país, teve músicas incluídas em trilhas sonoras de teatro, filmes (“3 Efes”, 2007, Carlos Gerbase) e programas de TV (“Caldeirão do Huck”, TV Globo), entre outros. Em 2007, teve ainda seu primeiro CD indicado a melhor Album Instrumental no Prêmio Toddy de Música Independente.

Nesta tour no Brasil em 2013, Laura L tocará com a baterista paulista Pitchu Ferraz, com quem já trabalhou em 2009, e a banda se apresentará no Brasil nos meses de abril e maio.

Pra quem quer saber mais, ou ver fotos, videos e ouvir outros sons, acessa aí:



18 de fevereiro de 2013

E no Pira 2013 tem lua cheia e Saturno de José


Foto: Daiane Marcon
Respeitável público, em 2012 lança seu primeiro EP a banda da região metropolitana de Porto Alegre Saturno de José. O grupo foi premiado pelo projeto Funproarte da cidade de Esteio/RS e ganhou financiamento para a produção do disco, gravado, mixado e masterizado pelo paciente e soberano Alexandre Birck (Graforreia Xilarmônica) no estúdio Music Box, na capital. Mas antes de Saturno, os cinco rapazes orbitaram por outros planetas. 

Daniel de Bem (vocal, violão, baixo e teclados) e Ivan Lemos (vocal, teclados, escaleta e violão) eram parceiros no projeto Fidélio. Assim como Hiozer Rezoi (vocal, violão e baixo) e Tiago Sudatti (vocal, bateria e percussão), que estavam em outra banda de rock, a Ecos Ecléticos. A admiração era mútua e o caminho aberto para todos. Com o término dos grupos em 2008, os músicos começaram a ensaiar juntos e explorar musicalidades diferentes. 

Encontrar novas possibilidades na música, misturar as influências e sentir o frio na barriga. Instrumentos incomuns para jovens do rock começaram a colorir os arranjos e rapidamente sambas e marchinhas foram surgindo. Foi o caso de Felicidade (Hiozer Rezoi) e Ladrões de Alegria (Daniel de Bem, Hiozer Rezoi e Ivan Lemos), que cresceram nos primeiros meses de banda e, assim como as outras músicas do EP, incorporaram arranjos de autoria de todos os membros do grupo.


Na São Leopoldo Fest de 2010, o grupo conheceu Gibran Vargas (flauta e clarinete). A indicação dos amigos estava certa: a sonoridade da banda era perfeita para ele. Os músicos marcaram um ensaio e deixaram a felicidade vir. Quando o primeiro riff de flauta entrou sobre os acordes de Fonte da Juventude, foi amor à primeira vista. 
 
Foto: Daiane Marcon
A poesia do grupo é discreta e elegante. Através dela falam as injustiças sociais (Soberano), os avós para seus netos (Adoçar) e os sentimentos que não podem ser expressos de maneira simples (Ladrões de Alegria). Mas acima de tudo, sobre rodopios de alegrias e sofrer (Ballet Atmosférico), está a juventude, gritando como um circo em polvorosa e mostrando o que melhor sabe fazer: viver inspiradamente.


Depois de navegar nessa mistura, não se preocupe se para casa você não souber voltar.

          Saturno de José, EP (2012, independente)

          1. Ladrões de Alegria (Daniel de Bem, Hiozer Rezoi e Ivan Lemos)
          2. Soberano (Ivan Lemos)
          3. Fonte da Juventude (Daniel de Bem)
          4. Ballet Atmosférico (Hiozer Rezoi)
          5. Felicidade (Hiozer Rezoi)
          6. Adoçar (Daniel de Bem e Hiozer Rezoi)

Para ouvir o disco na íntegra e saber mais sobre a banda, acesse e curta:
Contato: saturnodejose@gmail.com




7 de fevereiro de 2013

A sonoridade da Xispa para recepcionar o povo da Cascatinha


Foto: Danusa Lazzari
Uma das atrações locais estará disparando pitadas ruradélicas no Pira Rural

A banda foi formada no verão de 2007 em Sobradinho/RS, cidade vizinha de Ibarama/RS. Com o intuito de criar música, a banda foi tecendo seus refrões que vibram um modo de ver e viver. Buscando na originalidade, amizade e a vivência no interior a influência de sua sonoridade. Com o passar do tempo o grupo foi se descobrindo e também identificado-se em comparecer em Festivais de Música, pois nesses eventos encontrava e encontra amigos, pessoas que se tornariam(tornam) amigos e lugares especiais.

O som da Xispa, por Tiago S. Miotto

A simplicidade talvez seja uma das características mais marcantes da Xispa Divina, no modo de ser e de fazer. Musicalmente, ela não se opõe à riqueza, pelo contrário, a música da Xispa é multifacetada, e o resultado simples se apresenta como uma síntese de muitas influências: do rock clássico e psicodélico dos idos de Woodstock, do rock rural brasileiro que surgiu nos anos 70, da música popular brasileira e também da música de nosso estado e de nossa região.


Os rótulos, assim como os estigmas, sempre deixam algo escapar: a complexidade do que parece simples é um atributo da vida. Por isso, a forma encontrada para se poder categorizar o som da Xispa Divina foi criar o nome de um estilo novo, livre para significar o que quiser: é o Rock Ruradélico, sob o qual a temática da vida no interior e a valorização das coisas singelas permitem mesclar guitarra, teclado, baixo e bateria com o jeito de falar e de ser da gente que vive metros acima do nível do mar, cercada de morros verdes, afeita à agricultura familiar e acostumada aos invernos que fazem frio.

Foto: Maurício Oliveira
Projetos

Idéias "viajandonas" são corriqueiras nas invenções da Xispa Divina, mesmo que muitas demorem além da conta para se concretizar. O grupo tem um material em vídeo filmado em 2011 no interior de Candelária/RS com três canções inéditas, uma espécie de documentário/filme/show que aguarda uma oportunidade para encerrar e lançar esse material. Projeto mais concreto é o lançamento do terceiro disco da banda, as músicas estão bem encaminhadas e ainda para esse ano é a previsão de gravar em estúdio. 

O bando é formado por:
Franco Lazzari - Voz e guitarra;
Graziano Fhio - Baixo e resmungos;
Marcelo Tuito - Teclados e apitos;
Tiago Samambaia - Bateria e gambiarras;

Confere aí as músicas:

E se quiser falar com os Xispos, acessa aí:


6 de fevereiro de 2013

Na quarta edição do Pira, quarto tem que ser em dobro: Quarto Ácido de volta à Cascatinha


Buenos dias povo da Cascata!!!

Mais uma banda de velhos conhecidos vem mostrar seu trabalho nesse Pira Rural. Depois de participar da 1º edição, os Oxidantes de Panambi se transformaram em Quarto Ácido pra voltar à Cascatinha em 2011. Depois de dar lugar a outras feras em 2012, a banda volta com tudo na 4º edição do Pira!!!


Quarto Ácido já tá na Cascatinha esperando a páscoa chegar!!

E quando falamos que os caras vem com tudo, a gente não está brincando não! 

Em 1º mão aqui no blog do Pira, o som novo dos caras. Só não escuta muito perto da orelha que é capaz de queimar, porque recém saiu do forno!! E enquanto tu lê o resto de texto, te apruma e bota pra tocar aí: 


Tá ouvindo??? Bom, então segue aí e ve o que os caras falam deles mesmos....


"Quarto Ácido é um trio de rock instrumental com influências psicodélicas que preza pelo desapego a rótulos e também pela liberdade na escolha das sonoridades e estilos musicais.

A banda desenvolveu-se em meados de 2008, a partir de “Jams” experimentais dos amigos Alex Sandro Przyczynski, Flavio Mecking e Pedro Paulo Rodrigues.


No ano de 2011 aconteceram as primeiras participações em festivais do circuito de música autoral: FestMalta 2011 e 2012; Pira Rural 2011; Acid Rock 2012; Spiritual Transition 2012; além de aparições em sua cidade de origem, Panambi/RS. 

No primeiro semestre de 2012 gravou dois “singles” virtuais: Embriagado de Desgosto e João Boy. Nessa ocasião fizeram parte das gravações Tiago Fenzke e Thales Handte, atuais membros da Ácido Rock Band. 

Em dezembro de 2012 o trio  iniciou as gravações do seu primeiro EP, um trabalho que promete andar em ambientes psicodélicos, com timbres saturados e liberdade. O EP tem previsão de lançamento para o primeiro semestre de 2013."


E enquanto tu aguarda o EP ficar pronto, confere os links aí que tem mais informações dos caras: