5 de fevereiro de 2019

Conjunto Musical La Digna Rabia

Formado em 2010 com a intenção tocar covers de sucessos do rock cantado em espanhol, o Conjunto Musical La Digna Rabia foi, desde então, incorporando composições próprias, novos integrantes e novas sonoridades até chegar ao formato atual em que percorrem um mapa sonoro do continente latino-americano, costurando gêneros como a cumbia (afro-colombiano), o ska (anglo-caribenho), os corridos (mexicanos) ou o reggaeton (porto-riquenho) numa fusão conduzida por uma pegada de tradição roqueira.

A formação atual reúne sete músicos, com destaque ao naipe de metais, percussões e sintetizadores. Nessa trajetória, foram lançados três EPs – La Digna Rabia (2012), Conexión Chiapas (2013) e Ni Olvido, Ni Perdón (2018) – e um CD, intitulado “Conjunto Musical La Digna Rabia y el Increíble Baile Calavera” (2016). Além de já ter participado de alguns dos principais festivais do Estado, a banda é presença frequente em manifestações callejeras e ocupações, onde expressam sua origem política libertária. Em novembro de 2017 apresentaram seu espetáculo “Conjunto Musical La Digna Rabia y El Increíble Baile Calavera” no projeto Som no Salão, transformando o Salão de Atos da UFRGS, um dos palcos mais nobres da cidade, num grande salão de baile. No espetáculo, a banda atravessa ambiências que vão do romantismo exagerado, quase brega, da mais tradicional novela mexicana, à agressividade teatral da lucha libre.

Toda essa gama de sentimentos e sensações é apresentada ao público através da sonoridade intensa e da presença de palco contagiante dos anfitriões do Conjunto Musical La Digna Rabia. 

Sean tod@s bienvenid@s al Increíble Baile Calavera! 

A Banda:
Douglas Z. Benzi . trombone 
Gabriel Luzzi . trompete 
Hiro Okido . guitarra 
Marcelo Argenta . voz 
PH . baixo 
Pietro Duarte . saxofone 
Tavinho . percussão 
Tarcus Aguilar . bateria 

“Som no Salão” (Salão de Atos da UFRGS) | https://youtu.be/TRXd-pCauVg 
Matéria sobre a cena “mestiça” em Porto Alegre | https://goo.gl/M3PDi3


Contatos: 
todtprod@gmail.com | chtodt82@gmail.com 
whatsapp 51-996461682 (Christiano Todt)

4 de fevereiro de 2019

Editais logo mais >> voluntários | oficinas | intervenções | cobertura | banquinha

Salve, salve, amiguinhos!!

Logo mais, ao meio dia, abriremos inscrições pros editais abaixo. Confiram aí as informações e metam bala! ;)

Abertura:
04/FEV 12h00m

Quais?
- voluntários
- oficinas
- intervenções artísticas
- cobertura
- banquinha

Prazo:
18/FEV 11h59m

Basta acessar o menu EDITAIS aqui no nosso site, e escolher a inscrição correspondente. Mostra aí o que tu quer apresentar na décima edição do Pira!! Compartilhem e avisem todo mundo aí! :)
Festival Pira Rural
Coletivo Clube Mundo

1 de fevereiro de 2019

Ọ̀ṣẹ́ẹ̀túrá (Africa’n Jazz)

Ọ̀ṣẹ́ẹ̀túrá (Africa’n Jazz) é a soma de elementos culturais e rítmicos do povo africano à sonoridade e o fazer jazzístico. Dedicado em atuar artística e culturalmente na promoção e divulgação das artes fundamentadas na matriz africana de tradição Yorùbá, mostrando a riqueza e a beleza que marca a identidade desse povo. As apresentações contam histórias tradicionais musicadas, que são brevemente comentadas entre as músicas, criando um espaço de aprendizado que desperta a curiosidade acerca da inter-relação ocorrente entre as culturas africana e brasileira.
Foto: Ramon Moser.
O grupo é coordenado por Ìdòwú Akínrúlí, percussionista e dançarino nigeriano com experiência reconhecida em seu país. Ìdòwú já esteve em muitas cidades brasileiras, especialmente Belo Horizonte e Porto Alegre, onde realizou grande número de ações culturais com propósito de divulgar e esclarecer através da promoção de ações que fomentem o ambiente de difusão da cultura negra e de matriz Yorùbá.
Mantém também desde 2012 o grupo chamado ÌBEJÌ, com grande foco na dança e na música tradicional, de maneira mais estrita e sem fusões, com intúito de promover o estudo mais tradicional através da mitologia do povo Yorùbá.

No grupo Ọ̀ṣẹ́ẹ̀túrá (Africa’n Jazz) , as principais influências se originam dos ritmos tradicionais fundidos a instrumentação e improvisação jazzística, com referência no trabalho iniciado pelo músico nigeriano Felá Aníkúlápó Kútì (Felá Kuti), fundador do estilo musical Afrobeat. Este estilo foi popularizado na África na década de 1970 e se trata de uma combinação de jazz, Wórò, highlife e funk.

Este trabalho musical também tem por objetivo contribuir com a discussão acerca da contribuição das culturas africanas na formação da cultura brasileira. Onde podemos observar claramente em muitas festividades brasileiras o uso dos tambores somados aos elementos culturais e o sincretismo religiosos, como o Carnaval, o Maracatu, a Congada, Côco, Cavalhada e o Moçambique.

Noite dos Museus 2017 | https://goo.gl/ZGB9Be
Fela Day 2018 | https://goo.gl/BFCbQj

Danta Ramon Ledesma

O argentino Dante Ramón Ledesma, é um dos maiores músicos latinoamericanos, com mais de 20 álbuns gravados e 9 discos de ouro.
 
Nascido na pequena Rio Cuarto, na província de Córdoba, esse artista faz do seu canto maneira de viver e cantar a vida. Sejam gaúchos, argentinos, brasileiros, latinoamericanos, todos foram presenteados com músicas como Orelhano, Negro da Gaita, O Grito dos Livres, América Latina, A Vitória do Trigo, Yolanda e todas suas canções que ultrapassam os sotaques, as cores, os idiomas, os ritmos e as fronteiras.
 
Como o próprio Dante diz em uma de suas canções:

"não me basta sonhar ser pássaro e acordar assobiando misérias..."
 
Dante (voz e bombo leguero), é acompanhado pelos músicos Maximiliano Ledesma (voz e violão) e Gilmar Barela (violão), e com muito orgulho, anunciamos que estarão comemorando conosco a décima edição do Pira Rural.



31 de janeiro de 2019

Rinoceronte

A Rinoceronte, banda autoral criada em novembro de 2007 em Santa Maria/RS, é integrada por Paulo Noronha (voz e guitarra), Vinícius Brum (baixo e voz) e Luiz Henrique Alemão (bateria). Contando com a clássica formação em trio que constitui o imaginário elementar do rock n’roll, a Rinoceronte tem uma sonoridade robusta que orbita em torno do stoner rock e suas variações, absorvendo também influências da psicodelia, do blues e do hard rock setentista.
Foto: Stéphanie Chauvin.
As composições em português garantem a particularidade da Rinoceronte em meio a predominância da língua inglesa no universo do stoner rock brasileiro, sublinhada pela clareza das letras e pela recusa aos clichês do gênero.
Após um hiato de dois anos, o trio se junta outra vez e além de reestreiar ao vivo em casa e retomar uma agenda de apresentações na região sul, vem trabalhando intensamente em material novo, partindo de dois singles que darão start no novo disco completo, ainda sem data de lançamento definida.
E na páscoa, o petardo sonoro está de volta à Cascatinha comemorando conosco a décima edição do Pira Rural.

Facebook | www.facebook.com/rinoceronte
Youtube | www.youtube.com/rinoceronterock
Soundcloud | www.soundcloud.com/rinoceronte
Clipe: Anda no Ar | http://www.youtube.com/watch?v=kZ3S7I541W0
Clipe: Qualquer Lugar | http://www.youtube.com/watch?v=kZ3S7I541W0
Clipe: O Instinto | http://www.youtube.com/watch?v=HSIOz46QrQQ
Audiovisual: Rinoceronte no Uruguay | http://www.youtube.com/watch?v=3bnrjB7BHUA
Rinoceronte na Guitar Player | http://guitarplayer.uol.com.br/?area=materia&colid=4&matid=3034

Cuscobayo




Foto: Leonardo Ferrolho.
Em suas andanças, ensaios e bailongos entre Caxias do Sul e Porto Alegre, a Cuscobayo acabou descobrindo e descortinando o próprio sul da América através de um som e de uma postura que o representam com espírito livre e brutal honestidade. Barrillete cosmico descendo a Serra, rumo aos confins da planície, do charco e da Cordilheira. De peito aberto para o campo, o Prata e a cidade, apropriando-se de uma cultura que é nossa, que depende deste chão que é vasto e se expande – cultura diversificada e mutante que vagueia sem passaporte, ignorando territórios nacionais. Vamos fazer a faxina que a cidade é nossa. A cidade, neste caso, é o próprio continente.

Atualmente a banda trabalha no seu 2º disco, que será lançado pelo Natura Musical. Apontada pela crítica como uma das novas caras da música gaúcha e brasileira, pretende consolidar o estilo Chegueden rompendo e unindo as fronteiras da América Latina e do Globo.

Andei Muito’, single (2017) | https://www.youtube.com/watch?v=5cGhJssksgQ
‘Ô, Vagabundo’ ao vivo no Opinião (maio, 2017) | https://www.youtube.com/watch?v=yjWMSiBwUBg
‘Dakar’ lyric-video (dezembro, 2015) | https://www.youtube.com/watch?v=zD2MgTLz-Vw
‘Cuscobayo’ full álbum (março, 2016) | https://www.youtube.com/watch?v=ws-kae7wjDI
‘Na Cancha’ EP (outubro/2013) | https://www.youtube.com/watch?v=GWF6h3gwop4
Cusco Na Baia doc + show (julho, 2016) | https://www.youtube.com/watch?v=38UgBOItVkg
CXS 360 session + entrevista (junho, 2016) | https://www.youtube.com/watch?v=iAXyDLZdFzI