22 de janeiro de 2019

Pata de Elefante

Em 16 anos (2002-2018), a Pata de Elefante lançou quatro discos, tocou em diversos lugares do Brasil, ganhou prêmios como VMB 2009 (MTV) - Melhor Banda Instrumental - e Açorianos em 2005 e 2011 - Revelação e Melhor Disco Instrumental, respectivamente -, participou de projetos e editais, teve músicas incluídas em trilhas sonoras de filmes e conquistou público e crítica com a força de sua música.

A Pata de Elefante levou seu rock instrumental para um público acostumado a ouvir música com vocal e se tornou referência entre as bandas instrumentais brasileiras que surgiram na primeira década do século 21.      

Trajetória 
A Pata de Elefante surgiu em janeiro de 2002, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. O primeiro disco, "Pata de Elefante", foi lançado em dezembro de 2004 pela  Monstro Discos. A partir deste momento, o grupo passou a se apresentar nos principais festivais de rock no Brasil, como Goiânia Noise (2004, 2006 e 2007) e Abril Pro Rock (2008). Por este Cd, ganhou o Prêmio Açorianos de Música 2005 de Porto Alegre. Na revista Bravo, em resenha veiculada em julho de 2005, o trabalho da Pata de Elefante recebeu um elogio de peso: "a música instrumental brasileira tem salvação". 

Em 2007, foi selecionada no edital Rumos Itaú Cultural (2007-2009), que funciona como uma espécie de mapeamento da música brasileira. No fim do ano, lançou o segundo Cd, "Um olho no fósforo, outro na fagulha". Em janeiro de 2009, "Um olho no fósforo, outro na fagulha" ficou entre os 25 melhores discos de 2008, segundo a lista da revista Rolling Stone.

Em outubro de 2009, a Pata de Elefante ganhou o VMB (MTV), na categoria Melhor Banda Instrumental. 

Em abril de 2010, a banda disponibilizou seu terceiro disco, Na Cidade, pelo selo Trama. Na Cidade foi produzido por Júlio Porto, mixado por Beto Machado e gravado nos Estúdios Trama, em São Paulo. A masterização foi realizada nos Estúdios de Abbey Road, em Londres, por Steve Rooke, que remasterizou alguns dos discos dos Beatles.  O jornal Zero Hora (Porto Alegre) destacou o disco entre as produções de artistas gaúchos em 2010.
    
No Prêmio Açorianos de Música de Porto Alegre 2011 o álbum Na Cidade  foi escolhido o Melhor Disco Instrumental.  
     
Em fevereiro de 2014, foi lançado o disco Julio Rizzo e Pata de Elefante, com Julio Rizzo no trombone, Luciano Leães nos teclados, Edu Meirelles no baixo, Gustavo Telles na bateria e Daniel Mossmann e  Gabriel Guedes nas guitarras.    

Atualmente a banda está em fase final de produção do seu próximo disco.

Ao Vivo no Bar Ocidente, Porto Alegre, Out'16

Clipe “Um Olho No Fósforo, Outro Na Fagulha

Nenhum comentário: